5 Livros de Fantasia Medieval com Igualdade entre Sexos

Eu amo livros de fantasia épica. Eu mergulho na escrita e posso ser o herói e explorar um mundo novo e diferente. A maioria dos romances de fantasia épica são ambientados num cenário medieval de baixa tecnologia. E os papeis de gênero nesses novos mundos costumam se basear na nossa própria história medieval.

Mas alguns autores criam mundos inteiramente novos, com a igualdade de gênero perfeitamente entrelaçada no tecido cultural. Este tipo de mundo questionável em todos os sentidos é o meu favorito.

Por gênero igual, eu estou falando de uma sociedade onde as pessoas cumprem os papéis os quais estão qualificadas, não importa seu sexo. Essas sociedades parecem existir mais comumente em fantasia urbana e em ficção científica.

Nós, autores de fantasia, podemos imaginar tais novos mundos com dragões, felinos gigantes, anões e elfos. Mas pode ser difícil criar mundos que mudam a forma como homens e mulheres vivem suas vidas e interagem uns com os outros, pois ainda estamos impregnados com a sociedade machista em que nossos antepassado viveram – e que ainda não se extinguiu por completo até hoje, infelizmente.

Aqui estão alguns romances com sociedades com igualdade de gênero. Na maioria desses romances, a igualdade de gênero não é o tema. É simplesmente uma parte da sociedade, escrita inconscientemente.

1. Arrows of the Queen – Mercedes Lackey

01

Eu já visitei a terra de Valdemar várias vezes, desfrutando cada releitura. Valdemar é agradavelmente igualitária, com apenas algumas pequenas seitas de pobreza e preconceito. Reis e rainhas governaram através dos tempos. Homens e mulheres se misturam nas fileiras do Healer, Herald e Bard, e cada recruta tem o mesmo treinamento e expectativas. A sexualidade entre homens e mulheres também não é restrita. As sociedades de Tayledras e Talesedrin no mesmo mundo também são vívidas e igualitárias.

Veja também:  10 coisas ridículas em naruto

2. Through Wolf’s Eyes – Jane Lindskold

02

A sociedade criada por Lindskold não é igualitária, mas os gêneros são. Existem diferenças de classes, mas ambos os homens e mulheres podem ser herdeiros e ambos os sexos competem pra ver quem vai se tornar o herdeiro do trono. Homens e mulheres da classe alta se aliam em casamentos pra consolidar o poder na esfera política. Nas classes mais baixas, maridos e esposas são parceiros iguais no mundo dos negócios e da vida. E isso funciona ainda melhor com o personagem criado por lobos e confuso pelas restrições da sociedade. Adicionar restrições de gênero teria criado uma outra carga sobre o personagem. Este é um excelente exemplo de uma fantasia épica e suculenta com os papéis de gênero sem restrições.

3. Oath of Fealty – Elizabeth Moon

03

Fiquei profundamente feliz quando Moon, depois de um hiato de quase 20 anos, lançou mais cinco livros no mundo de Paksenarrion. Este mundo é maravilhosamente variado. Elfos, anões, gnomos, rangers – todos os elementos amados de fantasia estão representados. Eu amo o igualitarismo das fileiras militares, homens e mulheres dividem dormitórios, treinamentos e batalhas. Eles são julgados e promovidos com base em seus talentos e feitos. Uma ex-fuzileira, Moon infunde uma camaradagem confortável que desafia estereótipos de gênero e esse sentimento se espalha ao longo de todo o seu mundo. Seus romances são ricos e envolventes, cheios de política, aventura e sacrifício heroico.

4. Sing the Four Quarters – Tanya Huff

04

Eu amo os mundos de Huff. Sua série de ficção científica é outra maravilha de igualitarismo militar. Mas seu livro de fantasia, Sing the Four Quarters, é o ápice. Os personagens amam quem quiserem, sem prejuízo. O Bardos viajam e narram um mundo belíssimo, numa cultura em que homens e mulheres trabalham lado a lado conforme foram treinados. A sexualidade é um dom e não é usado como uma arma.

Veja também:  15 episódios de séries famosas que foram banidos

5. Sebastian – Anne Bishop

05

Bishop inverte o poder entre os sexos e as mulheres se tornam corruptas, degradadas e crueis, com poderes ilimitados. Mas nesse mundo de coisas efêmeras, Bishop criou várias paisagens em que mulheres e homens – e íncubos e súcubos – vivem em igualdade, sem prejuízo. Eu amo essa oportunidade sombria de igualdade e depravação, que é tão bem equilibrada. Ambos os lados da natureza humana são mostrados neste mundo original. Bishop é uma mestra em explorar a sexualidade e poder entre os sexos.


Quer enviar uma lista ou artigo? (Pode até virar video no canal!) Clique aqui!

Seja bem vindo ao Ei Nerd.

ou

Login

Esqueceu a senha?

Não tem uma conta? Cadastre-se

Fechar
de

Processando arquivos...

Crítica: visuais, enredo e elenco fazem de Pantera Negra um ótimo filme
Pantera Negra: conheça os Cães de Guerra e a Dora Milaje
Os melhores momentos do Androide 17 em Dragon Ball Super
Com muitos mistérios, veja os melhores momentos do 1º trailer de Venom
Cobra Kai, série que continua história de Karatê Kid, ganha 1º teaser; veja
Crítica: visuais, enredo e elenco fazem de Pantera Negra um ótimo filme
Entenda as duas cenas pós-crédito de Pantera Negra
Vingadores: Guerra Infinita teve cenas gravadas no Brasil, diz produtora
Amazon e Saraiva dão descontos de até 80% em livros e mais
Quem é a Fantasma, vilã de Homem-Formiga e a Vespa
Escritor fala sobre críticas à revista do Batman e Mulher-Maravilha
Batman voltará a usar uniforme com emblema amarelo nos quadrinhos
Em currículo, jovem cita ‘assistir Naruto’ como uma de suas habilidades
Último episódio de Dragon Ball Super pode ter revelado o desejo de Jiren
Os melhores momentos do Androide 17 em Dragon Ball Super
Dragon Ball Super: Universo 7 tem nova baixa no Torneio do Poder
Idosos brasileiros aprendem a programar games para exercitar a mente
controle das pernas
Chinês joga por 20 horas seguidas em lan house, passa mal e perde controle das pernas
A profissão desse cara é jogar ‘Clash Royale’, game exclusivo para celulares
Injustice 2 ganha trailer do gameplay com as Tartarugas Ninja; confira