Com Nasce Uma Estrela, veja as estreias do cinema desta semana

Quarta versão do clássico Nasce uma Estrela, com Bradley Cooper e Lady Gaga, está entre os destaques das estreias de cinema da semana. Confira outros filmes que chegam às salas do País.

Nasce Uma Estrela

Crises políticas e econômicas podem estar pipocando em todo o mundo, mas em Hollywood os magnatas do cinema estão rindo à toa. A indústria teve seu maior faturamento do mês de fevereiro em toda a história, graças ao megassucesso de Pantera Negra. Está tendo agora seu melhor outubro em anos, graças ao sucesso da nova versão de Nasce Uma Estrela e de Venom. O segundo estreou no Brasil na semana passada. O primeiro estreia nesta quinta-feira (11).

É a quarta versão da história que Dorothy Parker (sim!), Alan Campbell e Robert Carson adaptaram parcialmente de Hollywood, de George Cukor, de 1932, um dos primeiros filmes a abordar os bastidores do cinema. A primeira, de William Wellman, de 1937, tinha Fredric March como o astro decadente que toma garota talentosa – Janet Gaynor – sob sua proteção e, ao sentir que está empatando a carreira dela, resolve sair de cena de forma radical. Em 1954, George Cukor refilmou a história no formato musical, com James Mason e Judy Garland.

É a melhor de todas, mas o próprio Cukor sempre se queixou da remontagem feita à sua revelia pelos produtores. O filme tinha 181 min. no original e foi cortado – “De qualquer jeito”, dizia Cukor – para 170 min. e , depois, 154 min. Alguns números, de qualquer maneira, tornaram-se clássicos – The Man That Got Away e Born in a Trunk. Em 1973, Frank Pierson dirigiu Kris Kristofferson e Barbra Streisand, e ela ganhou o Oscar de canção, por Evergreen.

A nova versão assinala a estreia do astro Bradley Cooper na direção. Tem o pé no universo country e faz uma mudança importante – o foco está no astro decadente (o próprio Cooper), mais do que na estrela em ascensão (Lady Gaga, em seu primeiro grande papel). É filme de Oscar, com certeza, e muita gente já aposta se Gaga vai quebrar a escrita, levando a estatueta que nenhuma de suas antecessoras ganhou.

Veja também:  Coração de Ferro enfrenta vilões dos filmes da Marvel nos quadrinhos

Goosebumps – Halloween Assombrado

Filme de Ari Sandel e continuação do primeiro da série, de 2015. Dois amigos entram em uma casa abandonada e lá encontram um livro mágico. Inadvertidamente, resolvem abri-lo.

Ao fazê-lo despertam o boneco Slappy, o que é apenas o início dos problemas. A história é baseada nos livros do norte-americano R.L. Stine.

Tudo Por Um Popstar

É claro que você sabe quem é Thalita Rebouças, com seus livros para adolescentes. Ela não só é autora como roteirista de Tudo Por Um Popstar.

O filme é sobre três garotas que enfrentam tudo – pais, ingressos esgotados, etc. – para assistir ao show de sua banda favorita. Conseguirão? Pode apostar!

Minha Filha

Tem gente que até hoje não se conforma. Em 2015, concorrendo no Festival de Berlim, nem a diretora italiana Laura Bispuri nem sua excepcional atriz, Alba Rohrwacher, foram premiadas por Virgem Juramentada. Novamente unidas, Laura e Alba voltaram à Berlinale em fevereiro. De novo, não levaram nada, e não foi por falta de merecimento.

Estreia Minha Filha, o novo longa de Laura Bispuri, interpretado por Alba e também por Valeria Golino. É forte. Alba faz a mulher perdida do lugarejo. Leva a vida como uma festa. Dá à luz garota que Valeria cria. O tempo passou e agora a menina está virando mulher, e parece seguir o instinto da mãe biológica. Se o caos do mundo é inevitável, por que resistir? Alba vive como uma selvagem. Bebedeiras, sexo. A garota, sem saber que ela é sua mãe, é atraída por seu comportamento libertário.

Bispuri aborda a questão da maternidade, e não apenas. No filme anterior, fundado sobre a recusa da protagonista de levar uma vida de mulher, casada e com filhos, ela já discutia a identidade feminina. Em fase de empoderamento, Minha Filha é imperdível. Perturbador.

Veja também:  Guerra Infinita: por que os heróis das séries não estiveram no filme?

Cinderela e o Príncipe Secreto

Variante da história clássica de Cinderela nesta animação em 3D. Na história, os ratinhos, amigos da moça, a convencem a ir ao baile.

Na festa, o grupo descobre uma terrível ameaça e precisa agir para desfazer um poderoso feitiço. Claro que há uma bruxa malvada e também, como inovação, um príncipe fake.

Djon África

Miguel é um rapaz meio perdidão, sem grandes objetivos. Seu cotidiano é visto no prólogo de Djon África, de Filipa Reis e João Miller Guerra. Miguel fala com as garotas, deambula, tenta furtar roupas em uma loja. É um estroina, vive com a avó, não conhece os pais. Um dia, a avó lhe diz que, quando criança, ele foi conhecer o pai na prisão, mas os guardas não o deixaram entrar. Logo em seguida, o homem foi expulso de Portugal e repatriado a Cabo Verde.

Miguel adulto, agora com 25 anos, resolve ir em busca do pai e embarca para Cabo Verde. Nesse momento, Djon África toma seu rumo e sua embocadura. Trata-se, para o personagem, de encontrar o pai, referência biológica, mas também simbólica do centro a partir do qual se adquire identidade até então faltante. É também “reencontro” com o país que jamais conheceu, e onde estão fincadas suas raízes. O filme é divertido sem ser leviano; profundo na medida certa, sem se perder em teorias ou teses prontas. Não faz proselitismo nem discursos moralizantes. Já é muito.

Amanhã Chegou

Amanhã Chegou. E veio cobrando a conta. O filme de Renata Simões mostra, em detalhes, o grande beco sem saída em que nos metemos. Sempre se fala que a economia precisa crescer. Se não cresce, é o caos, como acontece no Brasil atual. Acontece que o planeta já não suporta mais o “crescimento” indiscriminado. A humanidade, sob o primado de um capitalismo desvairado e (em aparência) sem alternativas, tornou-se autofágica.

A catástrofe aí está, chegando sob a forma de aquecimento global, mares invadindo cidades, anarquia climática, etc. Não existe alternativa a não ser pisar no freio. Mas vá dizer isso a Trump ou à China. Portanto, a palavra de ordem do nosso tempo é “sustentabilidade”.

Não podemos nos comportar como novos-ricos diante de um planeta exaurido e comprometer as novas gerações. Ouvindo um grande número de pessoas, o filme é realista em sua dura advertência. Apresenta alternativas de vida. Sente-se falta do “outro lado”, a versão dos que acham que podemos continuar a gastança que a conta nunca chegará. Mas estes não costumam falar. Agem e contabilizam lucros.

Um Dia

Esqueça o não tão velho Um Dia, de 2011, com Anne Hathaway e Jim Sturgess. Há agora outro filme com o mesmo título brasileiro. No húngaro Um Dia, de Zsófia Szilágyi, o que a diretora propõe é um dia na vida de uma mulher. É um filme que dialoga muito bem com Filha Minha, de Laura Bispuri – leia mais acima.

De novo a maternidade, o casamento. Anna está vivendo apenas mais um dia do que parece uma existência opaca, banal. Em crise no casamento, e dividindo a atividade doméstica com a função de professora, a rotina desse dia parece estar tentando arrancar alguma coisa dela. Anna gostaria de levar a vida familiar – o marido, a filha –, mas faltam-lhe forças. Seu desejo é sumir. E, como professora, ela também tem todas aquelas crianças sob sua responsabilidade.

A angústia parece que vai engolir Anna, e transparece na interpretação nuançada de Zsófia Szamozi. A atriz é a alma do filme. Faz um trabalho discreto, de pequenos gestos. É um filme sobre o tempo. Um dia que parece a súmula de todos os dias. A particular prisão que oprime Anna.

Novo filme Nasce uma Estrela favorece o astro, não Lady Gaga


Quer enviar uma lista ou artigo? (Pode até virar video no canal!) Clique aqui!

Log in

With social network:

Or with username:

You’ll be automatically logged in 5 seconds.

Esqueceu a senha?

Não tem uma conta? Registre-se

Esqueceu sua senha?

Digite seus dados de conta e nós enviaremos a você um link para recuperar sua senha.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Fechar
de

Processing files…

Quem ficou fora do 1º trailer de Vingadores: Ultimato – e por que
Mogli da Netflix é mais sombrio que o da Disney, garante Andy Serkis
Revival mais duradouro da Netflix, Fuller House estreia 4ª temporada
Multishow tem exibido episódios ‘inéditos’ de Chaves e Chapolin; veja lista
Marvel pode estar planejando destruir todo seu universo nas HQs em 2019
HQ de Guerra Infinita contradiz irmãos Russo sobre Thanos e Hulk
Coração de Ferro enfrenta vilões dos filmes da Marvel nos quadrinhos
Quem é Shang-Chi, o grande mestre de kung fu da Marvel
Anime de Sailor Moon voltará para a TV aberta no Brasil em 2019
Pôster de Dragon Ball Super: Broly confirma Goten e Trunks no filme
Dragon Ball Super: Broly tem estreia antecipada no Brasil
Produtores respondem críticas às heroínas de Saint Seiya: Saintia Shô
Spawn pode ser um dos personagens ‘convidados’ de Mortal Kombat 11
Red Dead Redemption 2 é o grande destaque do Brazil Game Awards 2018
Informações pessoais de jogadores de Fallout 76 vazam por erro no sistema
Geralt, do game The Witcher, será personagem de Monster Hunter: World
Quem ficou fora do 1º trailer de Vingadores: Ultimato – e por que
Batman, futuro e mais: 10 questões sobre o final do crossover Elseworlds
Todos os monstros do novo trailer de Godzilla II: Rei dos Monstros
10 teorias sobre o trailer de Vingadores: Ultimato
Os melhores aplicativos de 2018, segundo a Apple e o Google
iOS 12
Apple volta a produzir iPhone X após baixas vendas de modelos novos
Galaxy S10 deve ter modelo com tela gigante, 6 câmeras e conexão 5G
facebook
Facebook e Instagram ficam fora do ar em todo o mundo nesta terça-feira