Confira o que a crítica está falando de Ghost in The Shell

A Vigilante do Amanhã: Ghost in The Shell fez sua estreia nos cinemas brasileiros na última quinta-feira (30). O filme é uma adaptação do mangá de Masamune Shirow, e também conta com longas animados, um anime lançado para a televisão, OVA’s e vídeo games.

As críticas do filme são de medianas a positivas. Os visuais, a adaptação da história original e a atuação de Scarlett Johansson como a protagonista foram elogiados, enquanto que a parte final do longa, a conclusão e alguns clichês óbvios foram alguns dos pontos negativos.

Confira abaixo uma compilação de avaliações:

O Globo, por André Miranda

André Miranda, de O Globo, elogiou bastante os visuais do filme, por encontrar um equilíbrio entre o cyberpunk e questionamentos filosóficos, o que complementa a ideia original do mangá: o limite ético para inserir tecnologia no ser humano. Além disso, se assemelham bastante com aqueles utilizados no primeiro longa animado, lançado em 1995.

Miranda também elogiou a escolha do elenco, composto por atores de diversos países, bem como a atuação de Scarlett Johansson, que não chega a ser brilhante, mas nos faz refletir muito mais do que estrelas de outros filmes.

“No meio desse deslumbre, há pausas para que os personagens conversem e deem dicas sobre os mistérios do enredo. A escalação do elenco utiliza atores internacionais para deixar claro que, no futuro, a divisão entre etnias não fará mais sentido. Haverá apenas os robôs e os não robôs, de resto somos iguais”.

IGN americana, por Terri Schwartz

Terri Schwartz, da IGN americana, disse que o filme é uma adaptação bem sucedida e respeitosa da série, apesar de todos os problemas que cercaram sua produção.

A crítica elogiou a opção do diretor Rupert Sanders de não fazer de Ghost in The Shell uma adaptação frame por frame do filme original de 1995, mas sim utilizar apenas as partes mais ricas da história, o que contribui para transmitir sua experiência para o público atual. Ela também elogiou a atuação de Scarlett Johansson e do dinamarquês Pilou Asbaek, que interpretou Batou, uma espécie de braço direito da Major, que é interpretada pela atriz. Os visuais também são um dos pontos positivos do longa.

Mas Schwartz também criticou alguns aspectos de Ghost in The Shell. Em alguns momentos, o filme parece cair na simplicidade, considerou o vilão sem muita profundidade e não há uma boa conclusão para a história da Major.

Ainda segundo a crítica, o principal problema do filme está justamente na parte final, que é muito seca e curta, o que faz ele se perder na mensagem que gostaria de passar para o público.

“Ghost in The Shell entende o que faz dessa franquia especial e fez um bom trabalho ao adaptar isso para as telonas. Parece ótimo e não está apenas copiando a estética do mangá e do animê. (…) A história se perde um pouco no ato final e não traz uma conclusão satisfatória, meus seus sucessos conseguem superar esses problemas.”

Variety, por Guy Lodge

A Variety, por meio do crítico Guy Lodge, avaliou Ghost in The Shell positivamente. Lodge também elogiou a adaptação feita por Rupert Sanders, ao mesclar cenas vistas no original, mas também por adicionar um toque de personalidade para o filme. Tudo isso sem perder a estética e personalidade do trabalho original de Masamune Shirow e Mamoru Oshii (diretor do longa original, de 1995).

Os visuais e a atuação de Scarlett Johansson também foram bastante elogiados por Lodge, bem como a parte técnica do filme, em especial o trabalho da equipe de CG e de figurino.

Lodge apenas criticou o trabalho feito pela equipe responsável pela trilha sonora, já que ela não parece se encaixar no filme e só há uma menção a música do filme original, que acontece apenas nos créditos.

“Espetacularmente honrando o espírito e a estética das adaptações de Mamoru Oshii sem tem que apelar para cosplays servis, Ghost in The Shell é entretenimento que trunfa sobre os originais por sua galopante narrativa e finos visuais.”

CBR, por Kristy Puchko

Eis uma crítica forte sobre o filme, que vai na contramão das demais avaliações. Kristy Puchko, do site CBR, não gostou do filme, por considerá-lo chato e ofensivo, por conta de seus problemas. Ela ainda fez um trocadilho, ao dizer que Ghost in The Shell não tem alma (O Ghost no título é uma referência à alma humana).

A crítica até elogiou os visuais do filme, por realmente chamarem a atenção do público, mas os considerou sem valor e profundidade.

Muitos fãs criticaram a escolha de Johansson e outros atores por não respeitarem a etnia original, de asiáticos. Puchko concorda com esta visão, por não ver lógica no filme em utilizar como cenário o Japão e a cultura e uma história japonesa com atores de origem caucasiana.

Puchko também não gostou da parte final do filme, bem como seus diálogos. E considerou o trabalho de Rupert Sanders fraco, ao falhar em construir um mundo para o filme e dar profundidade para seus personagens.

“Sanders criou um filme que tem espetáculo e ação, mas sem excitação. (…) Como a Paramount (produtora do filme) investiu tanto dinheiro em um filme com um roteiro desleixado e cenas de ação que tem tanto CGI que parecem um vídeo game? Eu não sei nem por onde começar.”

Texto por Augusto Ikeda
Edição por Igor Miranda


Quer enviar uma lista ou artigo? (Pode até virar video no canal!) Clique aqui!

Seja bem vindo ao Ei Nerd.

ou

Login

Esqueceu a senha?

Não tem uma conta? Cadastre-se

Fechar
de

Processando arquivos...

Será que o Homem-Aranha introduziu o Quarteto Fantástico aos filmes da Marvel?
Dragon Ball Super: a parceria de Gohan e Freeza e a promessa de Vegeta
5 personagens que poderiam aparecer no filme solo da Viúva Negra
Por que demorou tanto para a Marvel fazer o filme solo da Viúva Negra?
Fãs enxergam referência sexual escondida em traje da Vespa em filme
Filme da Viúva Negra pagará alto salário para Scarlett Johansson
Blogueira muçulmana recusa prêmio por causa de Gal Gadot
Polícia investiga Kevin Spacey por 3ª queixa de assédio sexual
Após Superman chinês, DC apresentará Aquaman norte coreano
Thanos tem seu nome de batismo revelado nos quadrinhos
Arco Doomsday Clock traz referência a história clássica do Batman
Marvel lançará plataforma para fãs escreverem as próprias HQs
Dragon Ball Super acaba em março, diz animador
Dragon Ball Super: Gohan será o próximo eliminado do Torneio do Poder?
Dragon Ball Super: a parceria de Gohan e Freeza e a promessa de Vegeta
Verão Otaku exibe filmes e séries nipônicas por uma semana em SP
Hogwarts Mystery: jogo RPG de Harry Potter para celular ganha trailer; assista
Veja como será a versão Majin da Androide 21 em Dragon Ball FighterZ
PlayStation 4 Pro sairá no Brasil com preço salgado; saiba quando
Final Fantasy XV para PC já tem data para sair e exige configuração robusta