Novo filme Nasce uma Estrela favorece o astro, não Lady Gaga

Há mais de 80 anos, repete-se, em Hollywood, o que não deixa de ser uma contradição em termos. Desde o primeiro Nasce Uma Estrela (William Wellman, 1937), a estrela em ascensão é sempre um nome consagrado da indústria – e depois de Janet Gaynor vieram Judy Garland (George Cukor, 1954) e Barbra Streisand (Frank Pierson, 1976).

Todas essas versões beberam na fonte de um Cukor de 1932, What Price Hollywood?, ou simplesmente Hollywood, no Brasil. Os críticos gostam de assinalar o que para eles virou maldição – nenhuma atriz ganhou o Oscar interpretando o prestigiado papel, o que é válido para o prêmio de interpretação, mas Barbra cavou uma estatueta de canção, por Evergreen.

Lady Gaga vai quebrar a escrita? Há uma nova versão da história. Estreia na quinta-feira (11), nos cinemas brasileiros. O novo Nasce Uma Estrela tem direção do ator Bradley Cooper e já passou com brilho pelo Festival de Toronto, do qual saiu como mais que provável indicação para o Oscar.

Você já deve ter visto o trailer, que gera expectativa e é melhor que o filme, mas essa é outra história. Desde a sexta, 5, a trilha está liberada em todas as plataformas digitais – são 17 composições inéditas e a recriação de um clássico de Edith Piaf, La Vie en Rose, que Lady Gaga canta num show de drag queens. O piscar de olho não poderia ser mais óbvio – a cena remete ao começo da carreira da própria Gaga, que também saltou de um show de drag para o estrelato.

Sucesso de público na ‘América’, o filme foi seguido por outro estouro – Venom –, o que faz deste mês de outubro o melhor dos últimos anos para o cinema dos EUA. Nasce Uma Estrela, a versão de 2018, é bom, mas poderia ser melhor. A maior ousadia de Cooper como diretor é deslocar o foco da estrela que nasce para o astro que tomba na decadência – e que ele interpreta. Cooper não deve fazer a mínima ideia, mas seu filme tem mais de um ponto de contato com o universo country retratado numa produção brasileira – Coração de Cowboy.

Veja também:  Casa Targaryen de Game of Thrones pode ganhar série derivada

Se isso ajudar a chamar atenção para o filme de Gui Pereira, ótimo. Em tempos de empoderamento feminino, Hollywood, passada a empatia inicial – de 2017 –, começa a tomar distância do movimento. Na primeira parte do filme, Cooper, percebendo o brilho natural e a força de Ally/Lady Gaga, a convoca para o palco sem pedir licença a ninguém. Reconhece que ela é alguém que tem algo a dizer, e lhe dá o impulso necessário.

Todo poder às mulheres – mas eis que surge o manager, e ele promete catapultar Ally para a estratosfera. A primeira coisa que faz é edulcorar sua persona selvagem. Coreografia, dançarinos. Quando Ally, já estrela, anuncia que quer colocar Cooper no palco com ela, o manager lhe corta as asas na hora – ‘no way’, de jeito nenhum. A estrela que nasce é formatada para, e pela, indústria. Sem querer forçar a barra, o megassucesso do ano passado foi Mulher-Maravilha, e você deve se lembrar que, no blockbuster de Patty Jenkins, Gal Gadot é boa de briga, mas quem resolve a parada é Chris Pine.

Essa conversa sobre feminismo, empoderamento talvez não seja o epicentro do novo Nasce Uma Estrela, mas a observação é pertinente. Influenciada por artistas como David Bowie, Michael Jackson, Madonna e Queen, Lady Gaga construiu sua persona pública por meio da provocação e do exagero. Virou ativista de causas LGBT. É curioso que tenha aceitado, em seu primeiro grande papel, essa imagem de ‘megera domada’.

Nos EUA, parte da imprensa tem reclamado que o ator e diretor Bradley Cooper é ‘handsome’ (bonitão) demais para interpretar o ‘has been’ (o astro que já era) da história. Cooper estourou na série Se Beber, não Case!, na qual uma certa canastronice servia ao personagem. O papel como ‘sniper americano’, no filme de mesmo nome, de Clint Eastwood, o candidatou para o Oscar. A expectativa agora é saber se Cooper volta ao Oscar como ator, diretor, ou ambos.

Nasce Uma Estrela: Lady Gaga agradece Bradley Cooper por acreditar nela


Quer enviar uma lista ou artigo? (Pode até virar video no canal!) Clique aqui!

Log in

With social network:

Or with username:

You’ll be automatically logged in 5 seconds.

Esqueceu a senha?

Não tem uma conta? Registre-se

Esqueceu sua senha?

Digite seus dados de conta e nós enviaremos a você um link para recuperar sua senha.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Fechar
de

Processing files…

Capitão América abre portas para Thor mulher no Universo Marvel
James e Sarah Rogers: conheça os filhos do Capitão América
simpsons
22 vezes em que os Simpsons previram o futuro
As 10 mortes mais importantes e brutais de Game of Thrones
James e Sarah Rogers: conheça os filhos do Capitão América
Marvel anuncia que vai cancelar e relançar todas as HQs de X-Men
O Homem de Ferro já usou a Manopla do Infinito nas HQs
Nova: história, poderes e habilidades do herói da Marvel
Kakashi volta a mostrar o sharingan em Boruto: Naruto Next Generations
Dragon Ball Super: spoiler do mangá indica derrota fácil de Moro
Dragon Ball Heroes: vilões da Área Núcleo vão atacar o Universo 7
Boruto: Naruto Next Generations pode ter retorno de antigo ninja morto
Sony e Microsoft fecham grande parceria envolvendo games e nuvem
fortnite
Com modo inédito e nova skin, Fortnite anuncia evento de John Wick
Com James Wan, novo filme de Mortal Kombat começará a ser gravado
cavaleiros do zodíaco
Novo game de Cavaleiros do Zodíaco, Saint Seiya: Galaxy Spirits chega aos celulares
As 10 mortes mais importantes e brutais de Game of Thrones
Game of Thrones: as 5 maiores traições políticas da série
Mandarim e 10 anéis serão os novos vilões do Universo Marvel?
game of thrones
Game of Thrones: 10 decisões do passado que mudaram tudo
Sony e Microsoft fecham grande parceria envolvendo games e nuvem
WhatsApp sofre ataque hacker e pede que 1,5 bi de usuários atualizem
Supostas imagens do novo iPhone vazam na web e as pessoas estão horrorizadas
Problemas com HBO Go motivam inúmeras reclamações nas redes